abril 27, 2013

29

nunca sei se sei ler o que escreves dizes respiras tudo tão fino e tantos nós e essa cor-de-quase-nada sempre presa ao corpo ao poema à canção à voz


Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.